Bannerweb_SOBREVIVENTE_ALERO_970x250-2.gif

QUADRILHA DO PIX: Identificados criminosos presos durante Operação Firewall




Daiane P. C., Diosepi Alexander C. J., Glaudeir C. S., Ricardson C. S., Wilkson Patrick F. C., foram presos nesta manhã de terça-feira (21) durante a Operação Firewall deflagrada pela Delegacia Especializada em Crimes Contra o Patrimônio.

Os criminosos fazem parte de uma quadrilha que agia praticando roubos a residências na capital e exigia pix durante os assaltos.


Em um dos roubos, uma das vítimas foi obrigada a transferir a quantia de R$ 60 mil. Parte da quadrilha integrada por 10 criminosos já estava presa desde o início do ano.

Segundo as investigações, em apenas uma noite os bandidos chegaram a praticar três assaltos.

Eles escolhiam vítimas que tinham principalmente caminhonetes para serem trocadas por drogas na Bolívia.

O inquérito policial iniciou com o roubo à residência, ocorrido na Av. Costa e Silva, dia 20/02. Na ocasião, os assaltantes obrigaram a vítima, um empresário que chegava da igreja, a transferir a importância de R$ 60 mil.

O alto valor da transação fez com que o sistema de controle de movimentações bancárias bloqueasse a conta corrente que recebeu a transferência.

No dia seguinte, quatro suspeitos foram ao banco para desbloquear a conta e sacar o valor, porém foram surpreendidos pelos policiais e acabaram presos em flagrante delito.

O policiais do Serviço de Investigação e Capturas – SEVIC da DERF identificaram e qualificaram os demais integrantes da quadrilha. Os agentes da DERF apresentaram indícios que os suspeitos cometeram mais três roubos à residência na mesma noite.

Diante das informações, a autoridade policial representou pelos mandados prisão e busca e apreensão contra os suspeitos, os quais foram deferidos pela justiça.

Na manhã desta terça-feira(21), aproximadamente 75 policiais cumpriram 9 mandados de prisão e 16 mandados de buscas e apreensões nos municípios de Porto Velho, Nova Mamoré e Guajará-Mirim-RO. A operação continua em andamento.

Firewall, nome dado a operação, significa portas antichamas em inglês. Ele é uma proteção que ajuda a bloquear o acesso de conteúdo malicioso.

A denominação faz referência ao modo como a quadrilha agia, que além de subtraírem objetos, obrigavam a vítima a fornecer acesso à conta do banco via aplicativo e transferia altos valores via pix.

Com a operação de hoje, a Polícia Civil bloqueia a ação desta quadrilha, tirando-os do convívio social, impedindo assim novos roubos.



















Rondoniaovivo