banner970x250_ALERO_MULHER.gif

Investigado na Operação Carga Prensada tem pedido de habeas corpus negado pelo TJ-RO




A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia (TJ-RO) negou o pedido de habeas corpus feito pela defesa de Danilo Fernandes da Rocha, investigado na Operação Carga Prensada. A sessão de julgamento aconteceu na última quinta-feira (4).


A operação foi deflagrada em setembro pela Polícia Federal (PF) e investiga suposta prática dos crimes como: tráfico de drogas, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Segundo o TJ-RO, Danilo é suspeito de ser um dos compradores/financiadores das drogas vendidas.


Ainda conforme o Tribunal de Justiça, a defesa entrou com pedido de habeas corpus para que a prisão preventiva do cliente fosse revogada. A defesa pediu o alvará de soltura ou a aplicação de medidas cautelares.


O pedido foi negado, pois para os desembargadores, diante da análise dos autos, a prisão preventiva está "solidamente fundamentada na necessidade de garantir a instrução criminal e a aplicação da lei penal, tendo em vista a periculosidade do agente e a gravidade em concreto do fato".


O g1 entrou em contato com a defesa do investigado, que ainda não se manifestou oficialmente.


A operação





























--:--/--:--










Traficantes presos pela PF ostentam carros de luxo, avião e lancha nas redes sociais



No dia 15 de setembro de 2021, a operação foi realizada nos estados de Rondônia, Acre, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina. Ao todo, 270 policiais cumpriram 45 mandados de prisão e 63 mandados de busca e apreensão.


As investigações apontam que a organização criminosa, alvo da operação, enviava grandes quantidades de cocaína de Rondônia para vários outros estados brasileiros. E segundo a PF, ao mesmo tempo, o grupo comprava cargas de maconha de Mato Grosso do Sul para distribuírem em Rondônia e no Acre.


Durante as investigações mais de 2,5 toneladas de drogas foram vinculadas à organização criminosa. Além da posse de aeronave, lancha, carros e imóveis comprados através de atividades ilícitas.