BANNER-ALE-PODER_3-970x250.gif

Pedreiro que encomendou a morte por ciúmes e rapaz que matou cantor em cima do palco são julgados e condenados em Vilhena




Um julgamento que durou quase o dia inteiro e foi realizado em Vilhena nesta segunda-feira, 23, os dois acusados de participação na morte do cantor Maylson Lucas de Campos Arruda, com 28 anos na época do crime, foram condenados a penas que, juntas, chegam a 36 anos de prisão.


A vítima do crime, que aconteceu numa casa noturna na área rural de Vilhena em 2018, foi executada a tiros no palco onde estava se apresentando. Ao ver o motoqueiro chegar para mata-lo, o cantor tentou fugir, mas foi encurralado pelo atirador, que o atingiu nas costas e, depois, na cabeça. Foram 4 disparos.


O artista morreu no local, enquanto o assassino atravessou o salão de arma em punho, andando devagar. Só nas proximidades da porteira é que ele correu e montou na moto, que era conduzida por outra pessoa (LEMBRE AQUI).


Denunciado como mandante do crime, o pedreiro Josiel Josiel da Costa Rodrigues teria agido por ciúmes. A dançarina que teria sido a pivô do assassinato foi ouvida na polícia confirmou que o ex-parceiro, que não aceitava a separação, estava por trás do homicídio (LEMBRE AQUI).


No julgamento de hoje, Josiel, que é suspeito de outros crimes também motivados por ciúmes, foi condenado a 19 anos e não poderá recorrer em liberdade, pois o regime imposto a ele é o inicial fechado.


Já o outro réu levado a júri popular é Pablo Henrique da Silva Sega, hoje com 22 anos. Além de matar o cantor, ele também assassinou a tiros o mecânico Julio Pereira Bastos, de 41 anos, executado na frente de sua família. O crime aconteceu no bairro Cristo Rei, em Vilhena, também em 2018 (LEMBRE AQUI). Hoje, ele foi condenado a 18 anos de prisão, também no regime inicial fechado.


Ao indiciar, no mesmo ano do crime, os dois acusados pela morte de Maylson, o delegado Núbio Lopes de Oliveira, titular da Delegacia de Homicídios de Vilhena explicou a participação de cada um no caso (LEMBRE AQUI).



Fonte: Folha do Sul
Autor: Da redação