Covid-19 faz estoque de sangue diminuir em RO e Fhemeron pede mais doadores

Banner-8_728x90-px.gif



A queda na doação de sangue que historicamente acontece neste período de fim de ano de 2020 tem um agravante a mais: a pandemia, que tem afastado as pessoas dos hemocentros, e ao mesmo tempo a demanda pelas transfusões continuam. Para reverter essa situação, a Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Rondônia (Fhemeron) convoca a população a comparecer em uma das unidades e doar para que vidas continuem sendo salvas.


‘‘Desde março, essa situação de pandemia tem afetado drasticamente os estoques de sangue não só de Rondônia, mas do Brasil e do mundo, pois o mundo inteiro padece com falta de doadores, e ao mesmo tempo as pessoas continuam precisando de sangue’’, afirma com a gerente de captação da Fhemeron, Maria Luíza Pereira.


Para Maria Luíza, a conta quase não fecha, tem mais pessoas precisando do que doando. Para manter o equilíbrio, Rondônia conta com a Hemorrede, a Rede estadual de Hemocentros, onde as unidades se ajudam para suprir a necessidade de bolsas de sangue. Desta forma, quando o hemocentro de Porto Velho precisa tem recebido de outras unidades regionais, assim como também encaminha para outros municípios quando os mesmos necessitam.



CAMPANHA FAMILIARES


Uma das iniciativas que também ajudou a atender a demanda por transfusão sanguínea este ano foram as campanhas de familiares. Mas mesmos com ações de gestão estratégica e ações sociais como essas, a ausência de doadores refletiu no estoque baixo durante praticamente todo o período de pandemia, com oscilações de queda de doações entre 30% a 40% por mês.


Com os estoques críticos, a maior necessidade da Fhemeron é os tipos sanguíneos “O” positivo e negativo e “A” positivo. Esses são os tipos de sangues que mais se transfunde no Estado. A Fhemeron adotou procedimentos de segurança sanitária para que as doações continuem sendo feitas e vidas sejam salvas durante a pandemia. Todo o cuidado está sendo mantido, como: os doadores devem usar máscaras, as unidades são higienizadas, há o distanciamento social e os materiais são esterilizados.


“Ou seja, todos os protocolos de saúde são obedecidos. A doação é segura’’, garante a gerente. A população precisa estar consciente que o ato é mais que doar sangue, é dar esperança para aqueles que necessitem de transfusões para continuar vivendo, a exemplo de crianças com anemia falciforme, jovens, idosos, amigos e desconhecidos que dependem da solidariedade dos rondonienses para que os procedimentos médicos sejam viabilizados.


‘‘Quero agradecer a população que fez as doações durante esse ano, pois foi um ano muito difícil, mas com certeza com muita luta conseguimos atender à necessidade de transfusão sanguínea. Graças a Deus os esforços continuam e ninguém teve a vida ceifada por falta de sangue, e a gente continua pedindo para que a população se sensibilize, pois sangue é um produto que não pode ser comprado, só doado”, disse a gerente.


Cada pessoa doa 450 mililitros de sangue. Esse volume pode salvar a vida de até quatro pessoas. A retirada não prejudica em nada o doador, pois o organismo repõe o que foi doado e alcança os níveis normais em até 72 horas. As mulheres podem doar no intervalo de 90 dias e os homens, 60 dias.


Na Capital, a Fhemeron atende nos horário de 7h15 às 18 horas, na rua Benedito de Souza Brito, Setor Industrial (Próximo ao Hospital de Base Ary Pinheiro). A população pode ainda buscar mais informações através do 99984-0125 (WhatsApp) ou 3216-2234.


Consulte os endereços dos hemocentros no Portal do Governo de Rondônia: http://www.rondonia.ro.gov.br/fhemeron/institucional/enderecos-da-hemorrede/ .



Requisitos necessários para doação de sangue:



– Estar em boas condições de saúde;



– Ter entre 18 e 69 anos de idade;



– Jovens entre 16 e 17 anos poderão doar acompanhados dos pais ou responsáveis legais;



– Ter peso acima de 50 kg;



– Estar alimentado, evitando alimentação gordurosa (aguardar três horas após o almoço);



– Homem pode doar até quatro vezes ao ano, em intervalos de 60 dias (dois meses);





– Mulher pode doar até três vezes ao ano, em intervalos de 90 dias (três meses);



– Ter dormido pelo menos seis horas nas últimas 24 horas.



Exames:



Serão realizados os seguintes exames de triagem no sangue doado:



– Aids;



– Sífilis;



– Hepatite;



– Doença de Chagas;




– HTLV I/II;



– Formas raras de Hemoglobina (anemias);



– Grupos Sanguíneos e Fator Rh.



Impedimentos temporários:



– Estar gripado ou com febre;



– Estar grávida ou amamentando;



– Ter ingerido bebida alcoólica no dia da doação (12 horas);




– Ter tatuagem/piercing feito há menos de um ano;



– Ter recebido transfusão de sangue e seus derivados há menos de um ano;



– Ter feito endoscopia digestiva nos últimos seis meses;



– Ter tido malária nos últimos 12 meses.



Impedimentos definitivos:



– Ter sido acometido por doença de Chagas;



– Ter sido acometido por hepatite após os 11 anos de idade;



– Ter sido exposto à situação ou comportamento que levem a risco acrescido para infecções sexualmente transmissíveis.