ELEIÇÕES 2020: Candidato a prefeito de Ji-Paraná possui contas irregulares e condenação na Justiça

Banner-8_728x90-px.gif

A prisão do então prefeito de Ji-Paraná, Marcito Pinto, no último dia 25 de setembro, deixou uma triste marca na política desse município que fica localizado há aproximadamente 380 quilômetros da capital e segundo maior colégio eleitoral do Estado.

Com a saída do prefeito da corrida eleitoral diversos nomes surgiram como aptos para assumirem o controle da cidade, porém, alguns são velhos conhecidos da Justiça e do meio politico de ji-paranaense.

É o caso do ex-presidente da Câmara de Vereadores Isaú Fonseca, candidato do MDB à cadeira de prefeito de Ji-Paraná. De acordo com o Tribunal de Justiça de Rondônia, ele foi acusado de improbidade administrativa em razão de se utilizar do erário do município de Ji-Paraná para promoção pessoal em campanha eleitoral.

Isaú Fonseca acabou sofrendo a perda da função pública e também a suspensão dos direitos políticos, proibição de realizar contratos, receber benefícios ou incentivos fiscais, ainda que por meio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, por três anos respectivamente, além disso de pagar as custas processuais no prazo de cinco dias.

A decisão foi da 1ª Câmara Especial do Tribunal de Justiça, nos termos do voto do relator, desembargador Gilberto Barbosa.

Contas mal explicadas

Além disso, o candidato a prefeito Isaú Fonseca tem uma série de contas mal explicadas apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado de Rondônia – TCE/RO que levou à sua condenação pelo órgão.

Entre os pontos expostos pelo TCE que teriam sido mal explicados nas contas de Isaú Fonseca estão o pagamento indevido de diárias, deixar de nomear representante legal para acompanhamento dos contratos, realizar despesa sem finalidade pública e não aplicar multa por atraso na execução dos serviços.

RONDONIAOVIVO