Vilhenense encontra em cultivo de horta, distração, economia e renda extra em meio à pandemia

R-BANNER-VAI-PASSAR_01_728x90-1.gif


Não é de hoje que o cultivo de hortas tem sido adotado por moradores das zonas urbanas, porém, em meio ao distanciamento social que mudou a vida de todos, muitos vilhenenses tem encontrado nessa prática, não só uma distração, devido ao isolamento, como também formas de economizar com gastos alimentares.

A reportagem do FOLHA DO SUL ON LINE conversou com alguns vilhenenses adeptos dessa prática, que garantiram encontrar, em pequenos cultivos de hortaliças, distração, economia e hábitos alimentares mais saudáveis.

No entanto, para o representante de vendas Nelinho de Almeida, morador do bairro Embratel, em Vilhena, o plantio de horta para ele, além de reunir todos os benefícios já conhecidos, possui um a mais, que é um dinheirinho extra no final do mês.

Nelinho, que começou o plantio há dois anos apenas para ocupar um espaço vago em seu quintal, hoje fornece couve para três restaurantes no município e paga contas fixas, como água e luz com a renda obtida através venda do vegetal.

“Fiz o sistema de irrigação sozinho com um material inapropriado, mas tem dado certo, pois ao invés de tirar do meu salário, consigo pagar minhas contas e ainda inteirar os gastos com mercado apenas com o dinheiro que a horta me dá, além de servir para consumo próprio”, relatou o vendedor.

Como Nelinho possui um terreno amplo, também já está apostando no plantio de mandioca e jiló para complementar a renda familiar em meio a crise.

Mas para os que acreditam que somente quem mora em casas pode cultivar hortas,há diversas formas de cultivar hortaliças em apartamentos, fazendo uso até mesmo de potes plásticos, que comumente seriam descartados após o consumo de seus produtos, ou vasos para flores.


Fonte: Folha do sul onlinr