Secretário adjunto da SESAU e Sargento dos Bombeiros viram alvos de busca e apreensão

BANNER-A---728x90-px-3.gif


Um contrato de aquisição de testes rápidos para diagnostico da COVID-19 pelo Governo de Rondônia, através da Secretaria Estadual de Saúde que chega próximo aos R$ 10.500.000,00 (dez milhões e quinhentos mil reais) é o alvo da operação Polígrafo, deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira (30).



Autorizados pelo Poder Judiciário de Rondônia, os agentes federais cumpriram treze mandados de busca e apreensão nas cidades de em Porto Velho, Itajaí/SC, Balneário Camboriú/SC e Rio de Janeiro/RJ.



Entre os nomes que foram alvos desses mandados estão o secretário adjunto da SESAU, Nélio de Souza, além do gerente administrativo da pasta Álvaro Amaral, que foi um dos bombeiros deslocados até São Paulo para buscar os lotes de testes rápidos, que de acordo com as investigações não possuíam sequer registro da ANVISA.



A representante comercial da empresa BuyerBR que vendeu os testes, Maíres de Carli, também foi alvo da PF. Além da empresa Level Importação, Exportação e Comercio S/A, localizada em Itajaí (SC), responsável pela logística de busca e entrega nos materiais da China para o Brasil.


De acordo com a Controladoria Geral da União – CGU existem fortes indícios de favorecimento à empresa em detrimento a outras propostas mais vantajosas para o Estado, isso, além de pagamento antecipado de R$ 3 milhões sem qualquer garantia.



As acusações são de crimes como pelos crimes de fraude à licitação, corrupção, peculato, falsidade ideológica e associação criminosa, dentre outros ilícitos a serem apurados. Todos os investigados serão ouvidos na sede da Polícia Federal.



Rondoniaovivo