Escrivã da Polícia Civil morre eletrocutada ao atender telefone celular carregando

R-BANNER-VAI-PASSAR_01_728x90-1.gif

A Escrivão de Polícia Civil do estado do Mato Grosso, Néria Regina Padilha, de 42 anos, estava no banho quando o aparelho, que estava carregando, tocou e ela tocou numa extensão que estava desencapada.

O corpo da escrivã da Polícia Civil de Mato Grosso, Néria Regina Padilha, de 42 anos, foi encontrado na noite desta quinta-feira (16), dentro de sua casa, em Cuiabá. De acordo com as informações, Néria foi eletrocutada ao atender o telefone celular. Ela estaria tomando banho quando o telefone, que estava carregando, tocou. A escrivã foi atender e acabou tocando em um fio, que estava desencapado, momento que sofreu a descarga elétrica.

Na casa, a polícia encontrou Néria caída, com um fio de extensão, onde o celular carregava, todo derretido e encostado na perna dela. De acordo com a polícia, Néria já estaria morta há algum tempo.
Néria estava lotada na Delegacia de Trânsito (DELETRAN), mas trabalhou por muitos anos na Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), na Delegacia de Homicídios de Proteção à Pessoa (DHPP) e fez parte da Força Nacional.

A Polícia Judiciária Civil do Estado de Rondônia se solidariza com os familiares de Néria e com a Polícia Civil de Mato Grosso pela inestimável perda.