BANCADA EVANGÉLICA DA CÂMARA DE VEREADORES DE PORTO VELHO TENTAM REABRIR TEMPLOS EVANGÉLICOS NA CAPITAL

S-BANNER-VAI-PASSAR_02_728x90.gif BANNER-COVID-2_728X90-px.gif


O Projeto de Lei nº 4027/2020 de autoria do Vereador Pastor Edesio Fernandes/PR tenta emplacar "Igrejas e Templos de qualquer culto como atividade essencial em período de calamidade pública no município de Porto Velho"


A discussão do projeto de lei começou na sessão remota desta segunda feira, e enquanto a "bancada evangélica" tentava de todas as formas colocar o projeto em votação, outros vereadores(as) contrários ao PL usaram a palavra e manifestaram seu posicionamento e sua preocupação caso o referido projeto fosse votado e aprovado.


O vereador Da Silva do SINTTRAR que apesar de fazer parte da "bancada evangélica" se posicionou contrário ao projeto. A vereadora Ellis Regina também se posicionou contrária e ao usar a palavra foi muito incisiva em seu posicionamento assim como o vereador Aleks Palittot que além de se posicionar contrário, também já deixou claro que não vota.



O presidente Edwilson Negreiros, usando de suas prerrogativas, suspendeu a votação do PL por mais duas sessões, onde, pelos posicionamentos de hoje, deve ser arquivado.

Em sua justificativa para a reabertura dos templos, o vereador Edesio Fernandes, apoiado pelas vereadoras Joelna Holder, Cristiane Lopes e ainda o Pastor Sandro, escreveu: "Atualmente, o caso de infecção da população pela doença denominada COVID 19 serve de atuação dessas instituições que tem auxiliado de forma incontestável não somente na assistência espiritual, mas também social e até psicológica, posto que o confinamento que as pessoas por vezes são submetidas pode até mesmo causar-lhes depressão e aumento de violência conjugal."


Vale ressaltar que o momento em que esse projeto é colocado em pauta, a capital Porto Velho ultrapassa a marca de mil casos confirmados para o novo coronavírus. Sendo que no estado de Rondônia, com os números atualizados pelo Ministério da Saúde as 18:30 hs dessa segunda feira, são: 1.396 casos conformados com 47 óbitos.





Fonte: Carlos Caldeira - NewsRondônia