VILHENA - Após meses “apanhado calado”, homem de 58 anos procura a polícia e denuncia a esposa com base na Lei Maria da Penha

Banner-8_728x90-px.gif


O FOLHA DO SUL ON LINE entrevistou, na manhã deste domingo, 15, um homem de 58 anos, que estava na Unisp de Vilhena registrando uma ocorrência no mínimo incomum na cidade: ele foi denunciar a esposa, que havia lhe espancado. Aos policiais, a vítima mostrou o dedo quebrado pela esposa, num ataque de fúria ontem à noite, numa chácara nos arredores da cidade. Literalmente, a denunciada usou unhas e dentes.


De acordo com o homem, funcionário do frigorífico JBS, ele estava bebendo com a companheira, com quem vive há um ano, no Setor 17, quando a mulher, que tem 44 anos, se enfureceu e passou a atacá-lo. “Ela se descontrola quando bebe”, relatou o agredido.


Na ocorrência, o denunciante pediu que a Polícia Militar o acompanhasse até em casa, para que ele pudesse pegar suas coisas. Ao ser informado de que a PM só fazia o acompanhamento quando a vítima era mulher, o homem agredido questionou: “mas que lei esquisita essa da Maria da Penha, hein?”.


Na conversa com a reportagem, o operário disse que esta não é a primeira vez que apanha da esposa, que não trabalha. “Eu pago tudo, até a bebida. Ela só come e assiste televisão”, desabafou, mostrando as feridas decorrentes da fúria feminina.


O repórter da FOLHA emprestou o celular para que ele ligasse para a PM. A corporação ficou de enviar uma viatura, para que o homem fosse até sua casa, apanhar roupas. “Vou deixar todos os móveis, quero apenas minhas roupas”, finalizou o denunciante, contando que, nas brigas anteriores, a companheira, além de espancá-lo, havia queimado seus trajes e calçados.


O denunciante contou que a agora ex já chegou a cumprir pena por esfaquear um homem, e explicou que, após “apanhar calado” por tantos meses, hoje havia decidido colocar um ponto final na relação.





Fonte: Folha do Sul
Autor: Da redação