REIVINDICAÇÃO – Esposas de Policiais e Bombeiros Militares realizarão manifesto em frente ao 1º Batalhão

BANNER-VAI-PASSAR_02_728x90.gif 728x90d411b4316c22701e.gif



Está previsto para iniciar às 16h desta sexta-feira (06), manifesto realizado por esposas de Policiais
e Bombeiros Militares do Estado de Rondônia. A organização do protesto elaborou carta ao
Governador do Estado, Coronel Marcos Rocha.
Confira a íntegra da carta:

CARTA DA COMISSÃO DAS ESPOSAS DE POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES DE RONDÔNIA

Ao Sr. Exmo. Governador do Estado de Rondônia,
Coronel PM Marcos Rocha.

Senhor Governador, nossos cordiais cumprimentos à Vossa Excelência, pois ainda confiamos nos
seus esforços em resolver o problema salarial de nossos esposos, Policiais e Bombeiros Militares
de Rondônia. Certas de que, compreendemos que todas as categorias merecem valorização, mas
que os Militares adquiriram esse direito através de seus próprios esforços, ou seja, a economia
que trouxeram aos cofres públicos, em especial, ao orçamento das Corporações Militares do
Estado.

Vale lembrar, que as perdas salariais da categoria já ultrapassou a margem de 44% (quarenta e
quatro por cento), e que a última parcela do realinhamento salarial, onde trouxe algo
significativo para a Categoria, ocorreu em 2017, com o realinhamento salarial advindo da
incorporação da economia feita com a extinção do serviço voluntário, que resultou por exemplo,
ao Soldado PM/BM, Cabo PM/BM e 3º Sargento PM/BM, os seguintes valores, conforme tabela
abaixo:

Graduação 2014 2015 2016 2017 VALOR TOTAL
SOLDADO R$2.362,07 R$2.936,25 R$3.083,06 R$3.237,21 R$875,14
CABO R$2.505,01 R$3.203,66 R$3.363,84 R$3.532,04 R$1.027,03
3º SARGENTO R$2.765,87 R$3.890,73 R$4.085,26 R$4.289,53 R$1.523,66

Portanto, o valor agregado ao longo de 04 (quatro) anos, foi também resultado da economia
feita dentro das Corporações! No mesmo sentido, segue o pleito do ano de 2020, tendo em vista
que a categoria está há três anos sem reajuste!

Sr. Governador, o direito ao realinhamento salarial dos militares, nasceu com a elaboração do TCO
(Termo Circunstanciado de Ocorrência), executado pelos militares, para dar agilidade aos
atendimentos em crimes de menor potencial ofensivo, tanto na capital, como em alguns
municípios, que não possuem delegacias ou sequer Agentes da PC, para o devido atendimento
específico de polícia judiciária. O que sem dúvida, elevou o Governo no quesito agilidade,
reduzindo os custos com combustíveis e diárias e contratações de Agentes da Polícia Civil e
Delegados. Com isso, dados evidenciados pelo Comando Geral da Corporação, apontam uma
economia de 7,7% em 2018 e 9,4% em 2019, sendo R$15.197.927,00 e R$15.076.000,00,
respectivamente.

Assegurando o direito dos militares, mais uma vez, contribuindo com o Estado, gerou a contenção
necessária para obter seu próprio reajuste salarial. Em virtude disso, a nossa principal
reivindicação está de acordo com a proposta feita pelo Comando Geral da PM e Comando Geral

do BM, ou seja, 30% (trinta por cento), parcelado em 3x, garantindo a RGA (Reajuste Geral
Anual), que é um direito de todos os servidores, inclusive dos militares estaduais, proposta
apoiada voluntariamente pelas associações legitimadas, sendo elas: ASSFAPOM (Ass. dos Praças e
Familiares da PM/BM-RO), ASPRA (Ass. de Cabos e Soldados da PM/BM-RO), ACBM (Ass. de
Praças da BM-RO), CRAPOMJI (Centro Rec. e Assistencial da PM/BM-RO) e ASOF (Ass. dos Oficiais,
PM/BM da PM/BM-RO).

Outros pontos que possuem relevância e devemos atentar, estão nos 9,5% Retirados do
contracheque dos militares, da reserva remunerada e pensionistas, com o advento da reforma da
previdência instituída na Lei 13.954/19; o valor irrisório da Etapa alimentação mensal de
R$252,50, para um militar prestar um serviço de 12h; o Auxílio Saúde no valor de R$50,00, caso o
militar não tenha o seu próprio plano de saúde; a Gratificação de motorista, no valor R$97,12,
que não é pago a todos; a Falta de pagamento da DERSO, Diária Especial de Reforço do Serviço
Operacional, onde vários militares estão sendo escalados em suas folgas, sem a devida
remuneração.

Ressalta-se, que as gratificações elencadas acima, não estão incorporadas ao soldo dos Policiais e
Bombeiros Militares, ou seja, ao passar para a inatividade, causando uma perda significativa em
sua renda, no momento que mais precisa.

É oportuno salientar, que desde 2017, ficou estabelecido a graduação em nível superior para
Policiais e Bombeiros Militares do Estado de Rondônia, com isso, elevou-se o nível dos militares
que buscaram com muito esforço o investimento de tempo e dinheiro para a sua própria
formação, que reflete em melhor atendimento à sociedade.

Destacamos ainda, que o ato da Comissão das Esposas, agendado para o dia 06/03/2020, às 16h
em frente os Batalhões e Grupamentos, em várias localidades do Estado de Rondônia, faz
necessário mediante a impossibilidade de os militares poderem exercer sua liberdade de
expressão e manifestação pelos seus direitos, garantidos aos cidadãos brasileiros, MENOS AOS
MILITARES!

Deixamos claro, que esse ato é pacífico e ordeiro e tem como objetivo principal chamar a atenção
de todas as Autoridades competentes e da população, quanto à valorização dos militares
estaduais, que não medem esforços para atender ocorrências de todos os níveis, seja para realizar
partos, evitar suicídio, intermediar conflitos familiares, dar segurança ao patrimônio público,
efetuar reintegração de posse, atuar em eventos particulares, como blocos carnavalesco, entre
outros, que dependem sempre da PM e BM.


Diante de todo o exposto, a Comissão das Esposas de Policiais e Bombeiros Militares de Rondônia,
requer que seja acatado os pedidos acima expostos, para real valorização e justiça com a
categoria.

Atenciosamente,

Porto Velho, 06 de março de 2020.

Ass. Comissão das Esposas da PM e BM-RO.

O ato ordeiro e pacífico ocorrerá em frente ao 1º Batalhão da Polícia Militar (Batalhão Rondon),
Rua Major Amarante, nº 571, centro de Porto Velho.