Operação da PF descobriu "rachadinha" no alto escalão da ALE-RO

R-BANNER-VAI-PASSAR_01_728x90-1.gif




Na manhã de quinta-feira (5), a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Feldberg, que busca a desarticulação de organizações criminosas envolvendo servidores públicos de Rondônia.


A PF explica que foram descobertas irregularidades no alto escalão da Assembleia Legislativa de Rondônia (ALE-RO). Dentre elas estão fraudes na eleição da presidência da Casa e prática de “rachadinha”, onde assessores “fantasmas” ou funcionários coniventes da ALE-RO repassavam mensalmente parte de seus vencimentos para as contas bancárias de investigadores.


A polícia cumpriu mandados judiciais nos gabinetes dos deputados Jean Oliveira e Laerte Gomes, presidente da Assembleia. Entre os mandados está, por exemplo, o de busca e apreensão. A PF solicitou, também, o bloqueio de contas bancárias e bens dos investigados, além do sequestro de veículos e imóveis “que poderão alcançar o valor total de indisponibilidade de quase R$ 500 milhões”. 




Segundo o portal G1, a assessoria da ALE informou que está colaborando com as investigações da operação e está entregando todos documentos aos policiais. Segundo a PF, a operação é feita em conjunto com o Ministério Público do Estado de Rondônia. Cerca de 200 policiais e 50 viaturas participam da ação.


A PF afirma que nesta operação estão sendo cumpridos 11 mandados de prisão preventiva, três mandados de prisão temporária, dez mandados de suspensão do exercício da função pública e 52 mandados de busca e apreensão nas cidades de Porto Velho, Alta Floresta D’Oeste, Vilhena, Ji-Paraná, Alto Alegre dos Parecis, Humaitá e Cuiabá.