Garoto indígena do Cone Sul, de apenas 09 anos, morre misteriosamente na capital; aldeia pode estar sob ameaça

BANNER-VAI-PASSAR_02_728x90.gif 728x90d411b4316c22701e.gif


Será sepultado hoje, na Gleba Tubarão, o garoto indígena de 09 anos, que morreu na quinta-feira, 14, em Porto Velho. O corpo do pequeno Adiélison Aikanã será sepultado na aldeia onde morava, na área rural de Chupinguaia.


No início da semana, o menino começou a se queixar de fortes dores de cabeça. Ele chegou a cair da rede duas vezes, e então foi trazido para o Hospital Regional de Vilhena. Seu quadro se agravou e o indiozinho foi transferido para a UTI.


Como a situação do pequeno paciente começava a ficar crítica, ele foi mandado para o hospital infantil Cosme e Damião, na capital. Na quinta-feira, 14, ele veio a óbito e o corpo foi levado para exames no IML.


Familiares chegaram a cogitar que a morte pudesse ter sido provocada por uma pedrada desferida na cabeça de Adiélison, o que não foi comprovado. No laudo sobre o óbito, a causa foi definida como indeterminada.


Para um freqüentador da aldeia dos Aikanã, a morte do garoto pode ser uma ameaça à etnia, já que ele apresentava indícios de que pudesse ter contraído meningite. A doença (ainda não confirmada na criança indígena) é altamente contangiosa, ou seja, pode ser transmitida para quem tiver contato com a pessoa contaminada.




Folha do Sul Online