Satélite da Nasa registra concentração de fumaça de queimadas em RO e AM

R-BANNER-VAI-PASSAR_01_728x90-1.gif


A Nasa divulgou nesta semana várias imagens de satélite que mostram a camada de fumaça sobre os estados de Rondônia e Amazonas. A fumaça é resultado das queimadas que atingem a região desde o fim de julho.


As imagens, feitas pela Nasa ao longo do mês de agosto, revelam que a fumaça formou um corredor sobre a Amazônia e está se espalhando pelo Brasil.


Até a cidade de São Paulo, a 2,2 mil quilômetros de Rondônia, foi atingida pela fumaça dos incêndios florestais, na última segunda-feira (19). Análises realizadas na terça-feira (20) confirmaram a presença de partículas de queimadas na chuva que caiu em São Paulo.


De acordo com a Nasa, o moderado espectrorradiômetro de imagens de resolução (Modis) do satélite Aqua capturou as imagens de vários incêndios ocorridos nos estados de Rondônia, Amazonas, Pará e Mato Grosso, ao longo de agosto. A Nasa afirma que, nos anos anteriores, o pico das queimadas acontecia sempre no início de setembro.


Fumaça de queimada avança sobre a Amazônia — Foto: Aqua/Nasa/Reprodução



Porto Velho, capital de Rondônia, é um dos municípios mais atingidos pela fumaça que cobre o estado.


Segundo as autoridades, a poluição no ar já ameaça a saúde da população, devido ao monóxido de carbono (CO) concentrado na fumaça.


Fumaça de queimadas sobre a Amazônia — Foto: Aqua/Nasa/Reprodução



Aumento de queimadas




De janeiro a agosto as queimadas na Amazônia Brasileira dobraram em relação ao mesmo período do ano passado. Este ano mais de 53 mil focos foram registrados no Norte do país e em parte do Maranhão. Em 2018, o número foi de 26,5 mil. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).


Em Rondônia, o número de queimadas disparou 190%. O estado está desde o início de agosto encoberto por fumaça. Essa poluição ameaça a saúde da população.


Mato Grosso é o estado com maior quantidade de queimadas: mais de 13 mil focos de incêndio já foram registrados entre janeiro e agosto deste ano.



Fonte: G1