Image and video hosting by TinyPic

Não consigo dormir, diz ambientalista que votou contra licença de barragem


Há quatro noites que a ambientalista Maria Teresa Corujo, 59, não consegue dormir direito. Desde que a barragem da Mina do Feijão se rompeu, na última sexta-feira (25), Maria Teresa só tira pequenos cochilos. "Não consigo dormir. Fico pensando nas pessoas soterradas", disse.

Maria Teresa Corujo é angolana de nascimento, mas vive em Belo Horizonte desde 1997. Há quase duas décadas, ela atua na defesa de comunidades afetadas pela atividade mineral no estado.

No dia 11 de dezembro de 2018, ela foi a única integrante do CMI (Câmara de Atividades Minerárias) do Copam (Conselho Estadual de Política Ambiental) de Minas Gerais a votar contra a ampliação das atividades na região do rio Paraopeba, que inclui a mina Córrego do Feijão, operada pela Vale.

Seu voto solitário não impediu a aprovação do licenciamento. Pouco mais de um mês depois, a barragem se rompeu causando a morte de pelo menos 60 pessoas.

Em entrevista ao UOL, Maria Teresa relatou, bastante emocionada, como se sentiu ao ver que seu voto foi o único contrário à ampliação das atividades na região.

Ela diz que as empresas que atuam na região "escolheram" não aprender as lições deixadas pela tragédia em Mariana (MG), quando outra barragem, desta vez operada pela Samarco, se rompeu causando a morte de 19 pessoas e resultando num dos maiores desastres ambientais da história do país.
"E não é nem uma questão de ter aprendido ou não. Eles escolheram de forma muita consciente não fazer o que tem que ser feito", afirma.

UOL - No dia 11 de dezembro, a senhora foi a única integrante do Copam a votar contra a ampliação das atividades minerárias na Mina Córrego do Feijão. Como você se sentiu sendo o único voto contrário?

Maria Teresa Corujo - Foi uma sensação de muita violência e de dor. Aquilo era uma insanidade. Nós tentamos de tudo para que aquela autorização não saísse. Tem uma história anterior àquela reunião. Ainda em novembro, nós tentamos retirar esse pedido da pauta, mas não conseguimos. Nós sabíamos dos riscos em função da ampliação das atividades ali. Cheguei a enviar uma correspondência à secretaria estadual de Meio Ambiente pedindo que o processo não fosse votado pelo conselho, mas nosso pedido não foi acatado. Agora, imagina como eu me senti sabendo de todos esses riscos e vendo o processo andar mesmo assim.

Você teve a impressão de estar em um jogo de cartas marcadas?

Sempre é [jogo de cartas marcadas]. Aquelas cartas estavam marcadas. O Copam já teve 40 reuniões. Todas as reuniões são para licenciar a mineração de qualquer forma. Alguns processos têm mais problemas, outros menos. Mas todos são licenciados. Aquilo virou uma fábrica de licenciamento.

Quando você ficou sabendo da tragédia, já imaginava que haveria mortes?
Quando se tem rompimento de barragem com pessoas nas regiões de auto-salvamento [área onde se considera que as autoridades não têm condições de atuar a tempo em caso de emergência] vai ter mortes. A lama desce muito rápido. Quando eu soube do rompimento da barragem eu tive um choro convulsivo. Eu estive em Mariana. Desde 2000 eu trabalho com isso. Vejo de perto como essas empresas mentem, como elas deturpam as informações. Imagina uma pessoa que sabe de tudo isso e vê uma tragédia dessas acontecer... [choro]. É muita dor.

Desde o rompimento da barragem em Brumadinho, a pergunta que muita gente se faz é: como não aprendemos as lições deixadas pela tragédia em Mariana? Qual a sua resposta para essa questão?

A primeira coisa que a gente tem que pensar é nesse termo "nós". Quem é esse "nós"? O problema não somos nós, a sociedade que sofre as consequências do que está acontecendo lá em Brumadinho. O problema está em todos os atores que têm poder de tratar desse assunto. Foram esses os que não aprenderam nada. E não é sequer uma questão de ter aprendido ou não.

Eles escolheram de forma muito consciente não fazer o que tem que ser feito. Inclusive, eles ignoram que no direito ambiental existe um princípio da precaução que diz o seguinte: se você não tem certeza absoluta que não vai ter nenhum problema, então não faça. Resumindo: não é que nós não aprendemos. Por que aquelas pessoas que estão soterradas em Brumadinho, provavelmente, nem sabiam que corriam risco.

Ali, havia trabalhadores que jamais imaginariam que aquela barragem estava sob algum tipo de risco. Isso é o mais monstruoso.

Na sua avaliação, essas empresas fizeram uma escolha consciente de correr o risco de matar?
Sim. Mas eles são tão prepotentes no modo de atuar que, ao fazer as suas operações, eles não fazem o cálculo do pior cenário. Eles trabalham sempre na perspectiva de continuar produzindo muito e aumentar o lucro. Quando eles avaliam a legislação, eles pensam que se ela interferir no negócio, não tem problema. Eles fazem lobby para alterar a legislação e deixar o cenário mais fácil para licenciar as obras. Eles não trabalham na perspectiva de que eles atuam com uma atividade econômica de altíssimo risco. Do contrário, me diga: qual o sentido de ter um refeitório abaixo de uma barragem de rejeitos?

Desde o acidente, você conseguiu dormir direito?

Eu não consigo. Fico pensando nas pessoas soterradas. Eu tenho que dormir porque, do contrário, eu não darei conta. Mas eu estou indo dormir muito tarde, quase um cochilo. Mesmo antes, logo após Mariana, sempre que chovia aqui na nossa região, eu rezava pedindo: "Senhor! Que não se rompa outra barragem". Eu conheço muitas pessoas que vivem nessas cidades. Não são desconhecidas para mim.

Você acredita que o destino da tragédia em Brumadinho possa ser diferente do que aconteceu em Mariana?
Não podemos cogitar a hipótese de isso não dar em nada. Estamos fazendo um esforço gigantesco para que isso tenha a maior repercussão possível. Estamos vendo, inclusive, a possibilidade de denunciar esse caso a uma corte internacional por crimes contra a humanidade porque isso não pode continuar acontecendo. Não é possível que a ausência de punição no caso de Mariana se repita agora.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi eleito defendendo flexibilizações na legislação ambiental. Você acha que a tragédia em Brumadinho pode impor um freio a esse discurso?

A magnitude do que aconteceu é tão grave que que eu acho que esse impulso dele vai se arrefecer. Acho que isso vai acontecer em Minas Gerais [em relação à legislação ambiental] e vai acontecer no Brasil. A gente espera que as pessoas comecem a olhar para a questão ambiental de outra forma. Agora, é uma pena que isso tenha que ocorrer com a morte de tantas pessoas.

Fonte: UOL
Não consigo dormir, diz ambientalista que votou contra licença de barragem Não consigo dormir, diz ambientalista que votou contra licença de barragem Reviewed by Mídia Rondoniense on janeiro 29, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário